Exposição e debate sobre o tema Hotspot da Biodiversidade Maputaland-Pondoland-Albany (Maio 2017)

A BIOFUND organizou uma exposição e debate sobre o tema Maputaland- Pondoland- Albany, a nossa responsabilidade, complementar à sua 5ª Assembleia Geral, a 24 de Maio de 2017 em Maputo.

O evento consistiu numa exposição multimédia de materiais inéditos incríveis sobre vida selvagem, resultante de uma expedição realizada na Reserva Especial de Maputo, por uma equipa multidisciplinar coordenada pela WildlifeMoz e Still Standing, seguida da intervenção de especialistas convidados onde se desenvolveu um rico debate moderado pelo Professor Doutor Jorge Ferrão sobre as apresentações:

Das intervenções registadas salientaram-se as inúmeras espécies de flora terrestre presentes na região, sendo que cerca de 1900 spp. são endémicas; a grande diversidade e endemismo de fauna marinha com cerca de 129 spp. endémicas entre mamíferos, aves, répteis e peixes de água doce; as 472 spp. de pássaros presentes na região, das quais 5 espécies e 43 subespécies são endémicas. Este hotspot que é ponto de encontro de 6 dos 8 principais tipos de biomas da região tem como ameaças iminentes a sobre-exploração, expansão agrícola, desenvolvimento urbano, mineração e mudanças climáticas. Esta biodiversidade e ricos habitats são parte do nosso património e cabe a nós tomar as decisões estratégicas que possam conduzir a sua conservação e utilização sustentável.

Dentre os especialistas convidados destacou-se também a apresentação de Andrew Zaloumis, Director Executivo do iSimangaliso Wetland Park, na África do Sul – a primeira área na África Austral a ser considerada Património da Humanidade pela UNESCO. Que partilhou sobre as dificuldades do dia a dia no parque, as conquistas ao longo dos anos, actividades comunitárias levadas a cabo e principalmente sobre os diferenciais que fazem com que este parque seja considerado Património da Humanidade. O representante da UNESCO em Moçambique, Djaffar Moussa-Elkadhum, aproveitou a ocasião para convidar a todos os presentes e a sociedade civil em geral para que se envolvam no processo de advocacia de forma a acelerar o processo de proclamação da Reserva Marinha Parcial da Ponta do Ouro como Património da Humanidade pela UNESCO, um processo iniciado em 2008.

O debate contou com a participação do público, composto por membros da comunidade de conservação, especialistas e académicos de diversas áreas relacionadas com a biodiversidade, assim como jovens estudantes universitários, representantes de organizações governamentais e não-governamentais e comunidade diplomática.

Das várias intervenções destacou-se a de Anabela Rodrigues, Directora Nacional da WWF – Moçambique que frisou que “devemos fazer um exercício constante de mostrar que quando falamos sobre biodiversidade estamos a falar de nós mesmos, pois só assim será possível fazer chegar a mensagem sobre a conservação”, de Camila de Sousa do IIAM que enalteceu a importância das Reservas Florestais como áreas de enorme biodiversidade e verdadeiros centros de endemismo e do Presidente do Conselho de Administração da BIOFUND – Abdul Magid Osman que em resposta às preocupações colocadas propôs que a comunidade da conservação devesse fazer ouvir a sua voz, quanto à necessidade de coerência na política governamental e dizer não ao projecto do Porto de Ponta Dobela num manifesto a ser assinado por todos os presentes.