BIOFUND vai desembolsar 5.6 milhões de dólares para apoiar Áreas de Conservação em 2020

O Conselho de Administração da BIOFUND aprovou esta quarta-feira, dia 11 de Dezembro de 2019, a duplicação do orçamento da instituição para 2020, passando de cerca de 4.6 milhões USD para 8.4 milhões USD dos quais cerca 5.6 milhões de USD serão destinados ao apoio de Áreas de Conservação e Proteção Ambiental.

Esta cobertura vai representar um crescimento significativo considerando que, desde o seu lançamento público, em 2015, a BIOFUND desembolsou cerca de 3 milhões USD destinados ao reforço da capacidade de fiscalização de Áreas de Conservação. A destacar em 2019, o apoio adicional para Áreas de Conservação afectadas pelos ciclones Idai e Keneth.

Uma parte substancial desta actividade de financiamento provêm de recursos próprios da BIOFUND, a partir de rendimentos com base no seu endowment de cerca de 35 milhões de dólares, resultantes de uma contribuição substancial do Banco Alemão para o Desenvolvimento (KFW), do governo moçambicano através do Fundo Global do Ambiente (GEF) e da Conservation International.

A reunião do conselho de administração debruçou-se essencialmente sobre aspectos relacionados com a sua estratégia de investimentos e o plano de actividades para 2020, com destaque para a crescente preocupação de sensibilização para a protecção de áreas marinhas no contexto das mudanças climáticas.

“O ano que se inicia será marcado pela entrada de novos doadores como a União Europeia, pela solidificação de mecanismos de financiamento inovadores e pela implementação de um programa estruturante que pretende reforçar as capacidades e habilidades dos profissionais do Sistema Nacional as Áreas de Conservação (SNAC) de Moçambique, formar e motivar jovens qualificados em liderança para conservação” disse Luis Bernardo Honwana, Director Executivo da BIOFUND.

Recorde-se que a BIOFUND, é uma fundação nacional privada, criada como uma solução a longo prazo para garantir um financiamento sustentável das Áreas de Conservação, seguindo as normas das melhores práticas internacionais para Fundos Ambientais, consagradas nos parâmetros da CFA (Conservation Finance Alliance) tendo, recentemente, passado por uma avaliação institucional independente que destacou o desempenho positivo desta instituição.