Iniciativas de Conservação da Biodiversidade na Reserva Florestal de Licuáti (RFL) e Área envolvente na paisagem de Matutuíne em Maputo

O Grupo de Acompanhamento das Iniciativas de Conservação da Biodiversidade na Reserva Florestal de Licuáti e Área Envolvente realizou a sua quarta reunião no passado dia 8 de Agosto em Maputo, com o objectivo de apresentar e discutir os resultados dos estudos de caracterização ecológica e socioeconómica e a proposta de plano de gestão para conservação da região de Licuáti no distrito de Matutuíne em Maputo.

A reunião contou com cerca de 30 participantes, provenientes de várias instituições do governo, áreas de conservação, sector privado, organizações da sociedade civil, academia e parceiros multi e bilaterais envolvidos na conservação da biodiversidade na região de Licuáti e em Moçambique.

Este grupo foi estabelecido em 2021 sob a liderança da Direcção Nacional de Florestas (DINAF) com o objectivo de construir uma visão comum para a gestão sustentável da biodiversidade e desenvolvimento comunitário em Matutuíne, bem como promover a coordenação e acompanhamento de projectos pilotos de melhoria de habitats da Reserva Florestal de Licuáti (RFL) e do Parque Nacional de Maputo (PNAM) promovidos pela Direcção Nacional do Ambiente (DINAB), Fundação para Conservação da Biodiversidade (BIOFUND), Wildlife Conservation Society (WCS), Direcção Nacional de Florestas (DINAF) e Administração Nacional de Áreas de Conservação (ANAC).

Os estudos de caracterização ecológica e socioeconómica de Licuáti destacaram mais uma vez o valor ecológico da região de Licuáti, recentemente declarada como uma Área Chave para Biodiversidade (KBA). A região de Licuáti é rica em diversidade de habitats que suportam espécies de flora e fauna prioritárias para a conservação da biodiversidade, incluindo espécies endémicas e ameaçadas. Contudo, a biodiversidade desta área está ameaçada por actividades antropogénicas que incluem o corte de árvores para a produção de carvão, queimadas descontroladas e expansão de áreas agrícolas,

A produção de carvão é a principal actividade económica com impacto nos habitats naturais de Licuáti, estando concentrada nas proximidades das vias de acesso e principais aglomerados populacionais. A tendência actual de exploração dos recursos nesta região, está associada à falta de fontes alternativas de subsistência e renda, resultará numa contínua perda de biodiversidade, o que impõe a necessidade urgente de implementar medidas para proteger áreas intactas, restaurar as áreas degradadas com o envolvimento de actores múltiplos e propor alternativas financeiras para assegurar a conservação da biodiversidade e meios de vida das comunidades locais.

Os contrabalanços de biodiversidade regulamentados pelo Diploma 55/2022 são uma potencial solução financeira para apoiar a conservação da biodiversidade em Moçambique incluindo como prioridade as áreas e áreas chave para a biodiversidade, como é o caso da Reserva Florestal de Licuáti.

Um plano de gestão para a região de Licuáti está em desenvolvimento, como forma de reverter a actual degradação desta rica região do país.

Leia o resultado destes estudos aqui: